Ambiente & Cidadania, Arquivo/Contacto, Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia

A Rosa e o Cravo – Canto III

Canto I Oh Rosa, onde foste p’la tarde? Oh Rosa, onde foste p’la tarde?   Fui ao campo ver o prado. Fui ao campo ver o prado.   Oh Rosa, que trazes tu do campo? Oh Rosa, que trazes tu do campo?   Flores frescas e bonitas. Flores frescas e bonitas.   Oh Rosa, que… Continue reading A Rosa e o Cravo – Canto III

Ambiente & Cidadania, Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Rosa e o Cravo – Canto II

Canto I Oh Rosa, onde foste p’la tarde? Oh Rosa, onde foste p’la tarde?   Fui ao campo ver o prado. Fui ao campo ver o prado.   Oh Rosa, que trazes tu do campo? Oh Rosa, que trazes tu do campo?   Flores frescas e bonitas. Flores frescas e bonitas.   Oh Rosa, que… Continue reading A Rosa e o Cravo – Canto II

Ambiente & Cidadania, Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Rosa e o Cravo – Canto I

Canto I   Oh Rosa, onde foste p’la tarde? Oh Rosa, onde foste p’la tarde?   Fui ao campo ver o prado. Fui ao campo ver o prado.   Oh Rosa, que trazes tu do campo? Oh Rosa, que trazes tu do campo?   Flores frescas e bonitas. Flores frescas e bonitas.   Oh Rosa,… Continue reading A Rosa e o Cravo – Canto I

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto IV

Canto I  Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto IV

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto III

Canto I  Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto III

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto II

Canto I  Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto II

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto I

Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a cair Tiraram-lhe… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto I

Ambiente & Cidadania, Artes & Cultura, Editorial, Rubricas

Editorial – 6 anos!? Não é a maioridade mas já se dá uns toques na bola!

Bom dia! Cá está ele: o aniversário meia dúzia! Este Março celebramos 72 meses de actividade e na loucura da celebração é possível que haja gente a correr pelada Avenida da Liberdade abaixo. Possível, mas pouco provável, pelo que mais vale esquecermos a ideia.  Foquemo-nos antes na confirmação, finalmente tornada pública, da renúncia do consórcio… Continue reading Editorial – 6 anos!? Não é a maioridade mas já se dá uns toques na bola!

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

Era uma vez um anão gigante – Canto IV

Canto I   Era uma vez um anão que tinha sonhos gigantes. Mesmo desperto sonhava coisas tão exuberantes Que a vizinhança o dizia meio homem, meio tolo, Pão mal cozido na côdea e claro está, no miolo.   Pois era tão desmedido na fome de o mundo ver Que o seu olhar se parecia com… Continue reading Era uma vez um anão gigante – Canto IV

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

Era uma vez um anão gigante – Canto III

Canto I   Era uma vez um anão que tinha sonhos gigantes. Mesmo desperto sonhava coisas tão exuberantes Que a vizinhança o dizia meio homem, meio tolo, Pão mal cozido na côdea e claro está, no miolo.   Pois era tão desmedido na fome de o mundo ver Que o seu olhar se parecia com… Continue reading Era uma vez um anão gigante – Canto III