Ambiente & Cidadania, Naturopédia, Rubricas

Naturopédia – Nº16, Sardinha

Sardinha (Sardina pilchardus) - LC (Pouco Preocupante) Um dos peixes que reina nas mesas portuguesas, especialmente nas festas dos Santos Populares e arraiais de Verão, a sardinha é também um peixe muito importante para a indústria conserveira portuguesa. Este peixe pertence à família Clupeidae, à qual pertencem outras espécies de interesse comercial, como o arenque.… Continue reading Naturopédia – Nº16, Sardinha

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto II

Canto I  Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto II

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

A Transformação do Oceano – Canto I

Era uma vez um oceano que tinha secado E num imenso deserto se havia tornado E, a cada momento, ousava sonhar Com um passado ao qual desejava voltar.   O sol lá bem alto no céu a brilhar, O calor que tudo conseguiu secar E a chuva que não mais se viu a cair Tiraram-lhe… Continue reading A Transformação do Oceano – Canto I

Ambiente & Cidadania, Artes & Cultura, Editorial, Rubricas

Editorial – 6 anos!? Não é a maioridade mas já se dá uns toques na bola!

Bom dia! Cá está ele: o aniversário meia dúzia! Este Março celebramos 72 meses de actividade e na loucura da celebração é possível que haja gente a correr pelada Avenida da Liberdade abaixo. Possível, mas pouco provável, pelo que mais vale esquecermos a ideia.  Foquemo-nos antes na confirmação, finalmente tornada pública, da renúncia do consórcio… Continue reading Editorial – 6 anos!? Não é a maioridade mas já se dá uns toques na bola!

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

Era uma vez um anão gigante – Canto IV

Canto I   Era uma vez um anão que tinha sonhos gigantes. Mesmo desperto sonhava coisas tão exuberantes Que a vizinhança o dizia meio homem, meio tolo, Pão mal cozido na côdea e claro está, no miolo.   Pois era tão desmedido na fome de o mundo ver Que o seu olhar se parecia com… Continue reading Era uma vez um anão gigante – Canto IV

Ambiente & Cidadania, Artes & Cultura, Cartas da Terra, Rubricas

Carta a Einstein

Caríssimo Albert, Antes de mais peço-lhe que me perdoe a presunção. E a ousadia de não o deixar sossegado onde estiver. Não me conhece nem tenho referências ou notoriedades que abonem por mim. Acontece que, nestes tempos em que vivo, a inteligência artificial está em grande desenvolvimento. E no que toca a inteligência, você é… Continue reading Carta a Einstein

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

Era uma vez um anão gigante – Canto III

Canto I   Era uma vez um anão que tinha sonhos gigantes. Mesmo desperto sonhava coisas tão exuberantes Que a vizinhança o dizia meio homem, meio tolo, Pão mal cozido na côdea e claro está, no miolo.   Pois era tão desmedido na fome de o mundo ver Que o seu olhar se parecia com… Continue reading Era uma vez um anão gigante – Canto III

Ambiente & Cidadania, Fotossíntese, Rubricas

Fotossíntese – Por um cabelo mais sólido!

O destaque desta rubrica é aquele lugar da mansão que paramos pouco tempo para contemplar: a nossa casa de banho! Será que esta divisão da casa não merece maior atenção ao pormenor? Já repararam bem na quantidade de lixo, essencialmente embalagens, que faz a mais pequena parte da casa (se não compararmos com a despensa,… Continue reading Fotossíntese – Por um cabelo mais sólido!

Artes & Cultura, Nas Asas da Poesia, Rubricas

Era uma vez um anão gigante – Canto II

Canto I   Era uma vez um anão que tinha sonhos gigantes. Mesmo desperto sonhava coisas tão exuberantes Que a vizinhança o dizia meio homem, meio tolo, Pão mal cozido na côdea e claro está, no miolo.   Pois era tão desmedido na fome de o mundo ver Que o seu olhar se parecia com… Continue reading Era uma vez um anão gigante – Canto II

Artes & Cultura, Rubricas, Viagens & Lazer

Se é para comer, venham os Novos e os Velhos!

O Velho Novo, Fevereiro 2019, Ferragudo Fazendo justiça a um hábito da juventude mais vivida, o Velho gosta de estar naquela esquina fresca e soalheira da Manuel Teixeira Gomes, e talvez por honra ao patrono seja também boémio, franco e artista. Daquele cantinho pitoresco, recheado de artefactos do seu tempo, o Velho é sempre Novo… Continue reading Se é para comer, venham os Novos e os Velhos!