Artes & Cultura, Rubricas, Viagens & Lazer

Tenham med…tenham muito med!

img_4870

med, Dezembro 2018, Loulé

Não menosprezando o prestígio de um dos melhores festivais do mundo, há em Loulé quem assuma a mesma nomenclatura e, as críticas o sugerem, idêntica qualidade. Filho do paladar mediterrânico e de mãe soberana, este menino de seis meses revela-se, com esplendor, um «Maio, Maduro Maio».

Gerado no ventre louletano, divide a D. Paio Peres Correia com os ilustres: o Castelo e o antigo Convento de Espírito Santo são vizinhos de beiral e a Capela de N.ª Sr.ª da Conceição é a porteira da rua onde mais adiante os Banhos Islâmicos são senhorios. O passeio é já por si uma viagem cultural e a casa não descurou a inspiração, prometendo produtos locais, frescos e selecionados. Ali, a tradição algarvia baila criativamente com as faluas vindas de Istambul ou de outros portos deste mare nostrum.

img_4846

A decoração do espaço revela o zelo hodierno em conjugar bem-estar com bom comer, fazendo com que as madeiras transmitam o habitual acolhimento e a fachada envidraçada ceda a sensação de liberdade sempre tão premente em espaços mais reduzidos. As mesas estão postas com simplicidade e elegância e a música ambiente (toda em português) faria o velho Zeca sentir-se em casa. Também a cozinha é aberta e ocupa lugar central na disposição do med, alargando a imaginação da equipa de Bruno Gonçalves e convidando os comensais a espreitar as receitas místicas que ali se confeccionam.

img_4851

Céline Luís cuidou bem da apresentação e não menos do trato, compondo uma equipa jovial mas consistente e conhecedora, muito disponível e bem disposta. Na cozinha, aberta por períodos de apenas duas horas ao almoço e à noite, recuperam-se rotas de especiarias e a cozinha tradicional dissipa fronteiras com a moderna, cozinhando sabores intensos e frescos. Todos os dias ao almoço há pratos sugeridos a bom preço, desde filetes de alabote, risoto de bacalhau ou polvo, almôndegas de atum fresco, massas diversas e coelho, migas com carne, naco do novilho ou peito de frango com mozarela e tomate seco. As sobremesas não são menos variadas e a casa está aberta a desafios que dificilmente (diz a tal rede social) não conseguirão superar.

img_4855

O couvert e as entradas não são especialmente inovadores, mas asseguram que há o essencial nesta mercearia: cenoura algarvia, queijo com mel e amêndoas, salada de polvo, chouriço assado, camarão cítrico, amêijoas à bulhão pato, pastéis de bacalhau ou polvo, enfim, todas as coisas que temos sempre na lista do apetite.

Do mar sussurravam como sereias as papas de milho, a esparguete «Al mareado», o lombo de bacalhau com broa e espinafres ou a típica cataplana. Mas mantivemos os pés em terra firme quando escolhemos a galinha pintada com arroz selvagem e o naco de javali grelhado com legumes, batata assada (e doce) e cogumelos também nada domésticos. As provisões chegaram bem para atravessar o mar negro e branco de dois copos de Lilás (Douro, 2016), um dos servidos a copo que agradaram quer pela textura de um como pela frescura e leveza de outro. A galinha, talvez pelo nome, teve mais pinta que o javali, mas nenhum deixou de primar pelo sabor caseiro e bem preparado.

img_4854

As sobremesas vêm «Do Céu», pelo que a torta de laranja com compota de abóbora e amêndoa, o bolo de chocolate com toffee e o salame de cacau com figos não devem constituir um pecado da gula quando ingeridos. À confiança desta premissa, pedimos o bolo de queijo fresco. Subiu à boca com coroa de morangos para não mais ressuscitar sobre aquele chão de frutos silvestres, e pareceu-nos que dizia, com a sua tez pálida, «Pai, perdoai-os, porque só pediram um».

img_4862

Fica a promessa de para a próxima descobrirmos desMEDidamente outras das muitas iguarias que a «mercearia» do 14 discretamente apregoa. Afinal, dizia em boa verdade o grande Zeca que «raiava o sol lá no sul» naqueles idos de Maio. Já descobrimos onde, e para bem da dieta (nossa, não da mediterrânica) até temos algum med de lá voltar…mas voltaremos.

Restaurante med

Rua D. Paio Peres Correia, 14

8100-564 Loulé

12h – 14h30 / 19h30 – 21h30 (encerra aos Domingos e às Segundas à noite)

T.: 964 210 708 / 289 422 264

Preço: médio

Maria João Barbedo e Roberto Leandro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s