Ambiente & Cidadania, Naturopédia, Rubricas

Naturopédia – Nº10, Mocho Galego

Mocho Galego (Athene noctua) – (LC – Pouco Preocupante)

Mocho 1

Na verdade, ainda que entre nós, Portugueses, a designação “Mocho-Galego” seja bastante comum, esta deixa algo a desejar no que diz respeito ao rigor geográfico, a ver:

O mocho que dizemos “Galego” vive, de facto, na Galiza, mas também em Portugal, em quase toda a península Ibérica, em grande parte da Europa, até à Dinamarca, a Norte, e a Leste estende-se até ao Norte da China, Mongólia e península da Coreia. A Sul, ocorre no Norte de África, península da Arábia, próximo e médio Oriente. É, portanto, uma espécie de ampla distribuição geográfica.

Em Portugal, ocorre virtualmente em todo o território, mas existe em maiores números nas regiões Centro e Sul, nomeadamente ao longo do curso do rio Tejo, no Alentejo e no Algarve.

A espécie é maioritariamente, mas não exclusivamente nocturna, pelo que não é invulgar observarem-se espécimes activos ainda durante o dia. Ocupam uma grande diversidade de habitats, podendo ser avistados em quintas e pomares, bosque e florestas de várias tipologias, montados, estepes e até em regiões semi-desérticas.

Apesar da sua pequena estatura (em média entre 20-25 cm), é um hábil caçador e tem uma dieta bastante diversificada, na qual se incluem insectos, roedores, anfíbios, matéria vegetal e até outras aves.

Mocho 2

O mocho galego pode viver mais de uma quinzena de anos, mas estima-se que a longevidade média não exceda os três anos, devido à alta taxa de mortalidade juvenil, atribuída principalmente a invernos rigorosos, atropelamentos, desflorestação e uso de pesticidas de alta toxicidade.

De facto, apesar da sua extensa distribuição, o mocho galego está ameaçado de extinção na Holanda, Bélgica e Alemanha e, fora da Europa a sua frequência e as dinâmicas das suas populações são, frequentemente, desconhecidas, sendo justo inferir que as pressões humanas na espécie e no seu habitat, se façam sentir (com efeito nefasto), também fora do continente Europeu e que, obviamente, constituem uma ameaça para a espécie.

Mocho 3

Abaixo deixamos alguns links com informação sobre a espécie e a sua distribuição em Portugal:

STRI – Rapinas Nocturnas de Portugal

Natural.pt

Aves de Portugal

Almargem

Naturlink

Universidade de Évora

Nuno Soares

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s